Pesquisa no Blog

terça-feira, 30 de abril de 2013

MÁRTIR PAGÃO

Fiquei surpreso ao ver, no início da semana, estampada na primeira página dos principais sites de notícias, a foto de um dos melhores professores que tive na faculdade, envolvido em "polêmica religiosa".
Trata-se do Padre Roberto Francisco Daniel (Pe. Beto) da Diocese de Bauru. Ele foi meu professor da disciplina de Estética no tempo em que me preparava para a licenciatura em Filosofia.
O fato é que a Diocese de Bauru divulgou em seu site oficial, nesta segunda-feira (29), nota comunicando a excomunhão do sacerdote após o mesmo ter pedido de desligamento de suas atividades sacerdotais, por conceder entrevista "polêmica" publicada na internet (assista o vídeo na íntegra).
Na entrevista, Beto fala sobre a fidelidade e o amor entre pessoas do mesmo sexo e questiona a estrutura hierárquica da Igreja Católica. Após o vídeo circular pela rede (mais de 60.000 views), a Diocese expediu pedido de retratação pública por parte do, até então padre, que se pronunciaria "confessando humildemente" a culpa por ter errado "quanto a sua intepretação e exposição da doutrina, da moral e dos bons costumes ensinados pela igreja".
Em nota, o Bispo da Diocese, Dom Caetano Ferrari, afirma que Beto "traiu o compromisso de fidelidade à Igreja a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal".
Em entrevista concedida ao G1, Beto afirma estar "tranquilo por estar do lado do ser humano, do desenvolvimento e da liberdade de expressão”.
PEGOU MAL - Se era o caso para excomunhão, não convém julgarmos aqui, porém, a atitude da Igreja local chamou a atenção para o fato de que ainda não há espaço para esse tipo de discussão dentro da Igreja, enquanto possuir o discurso de retratação pública e confissão humilde de culpa por erro de interpretação da doutrina. Quando li as reportagens diretamente me reportei ao caso de Galileu Galilei que só não morreu na santa fogueira por se retratar em público... Penso que a Igreja age certa quando não se contradiz, mas fico a me perguntar: "O QUE SERÁ QUE JESUS DIRIA"...
 
ALGUMAS AFIRMAÇÕES DO EX-PADRE:
 
Seção Entre AspasSó posso dizer que dou Graças a Deus que não existe mais fogueira.
 
Se refletir é um pecado, eu sou um pecador e sempre serei. Não vou negar ser uma pessoa reflexiva e uma pessoa que pensa.
 
Acho impossível seguir o evangelho de Jesus Cristo em uma instituição que, no momento, não respeita a liberdade de reflexão e de expressão.
 
O modelo que nós temos que seguir se chama Jesus Cristo e esse modelo viveu plenamente essa liberdade e fez com que as pessoas refletissem.
 
Eu me sinto honrado em pertencer à lista de muitas pessoas humanas que foram assassinadas e queimadas vivas por pensarem e buscarem o conhecimento
 
Fui levado a uma espécie de tribunal. Não entendi. Questionei: ‘estou numa  cadeira de réus?’ Responderam que sim...
 
 
Postar um comentário

DIRETO AO ASSUNTO - TEMAS DO BLOG