Pesquisa no Blog

domingo, 13 de junho de 2010

ACESSIBILIDADE SÓ É POSSÍVEL GRAÇAS ÀS PENALIDADES


Portadores de deficiência física ainda sofrem com o descaso das instituições da sociedade. 

Por Antonio Vicente Junior – Estudante de Jornalismo

Enquanto os artigos dos Direitos Humanos fomentam apenas uma sensação de justiça social, o distanciamento entre direitos e necessidades reais das pessoas portadoras de deficiência física aumenta a cada dia. 
O grau das irregularidades, ou seja, as barreiras arquitetônicas urbanísticas que agridem os direitos de cidadãos portadores de deficiência física são tamanhas que acaba sendo impossível passar despercebido pela maioria. A questão da acessibilidade é ainda um tabu em nossa sociedade. 
De acordo com a Engenheira Civil Carolina Lotufo Bueno-Bartholomei, que atualmente leciona na Universidade Estadual Paulista (UNESP), no curso de Arquitetura e Urbanismo, a questão da acessibilidade só é resolvida, na maioria dos casos, por temor às penalidades, apenas. 
Segundo ela, mesmo a maioria das adaptações feitas são irregulares, uma vez que a preocupação fica centrada somente em cumprir uma obrigação civil, deixando de lado as reais necessidades dos usuários. 
A Arquitetura pode e deve servir como instrumento social, capaz de atender e abranger o maior número de cidadãos possíveis. “A cidade de Presidente Prudente está impregnada de barreiras, das mais primárias possíveis. É extremamente comum encontrar um cruzamento numa das principais avenidas sem nenhum tipo de orientação para deficientes visuais, ou rebaixamento para portadores de necessidades físicas”, completa Carolina. 
Mesmo com o cenário atual amenizando esse tipo de descaso, a acessibilidade para os portadores ainda é um projeto a longo prazo. Segundo o Defensor Público aposentado, Paulo Sergio Moreno, cadeirante, a acessibilidade vai além do que o próprio conceito a define. 
Para ele a acessibilidade “é um termo abrangente que passa pela prevenção, reabilitação, e, sobretudo pela educação, sendo algo merecedor de uma conscientização ampla”. Para mudar esse parâmetro excludente, é urgente a visão de que o meio também pode e deve ser adaptado, não só o meio físico, mas também o meio social.
Postar um comentário

DIRETO AO ASSUNTO - TEMAS DO BLOG